Disciplina “Fundamentos do Marketing Digital” – Pt. 5

Paradigmas da Era Digital

Como já citado, Manuel Castells (1999) foi um dos teóricos da comunicação que mais utilizei em minha monografia. Ele trata de diversos conceitos do que ele chama de “Era da Informação”, em que a sociedade está organizada em redes, as atividades econômicas alcançam um caráter global e onde o indivíduo se torna cada vez mais exigente, reclamando por personalização.

Entramos, também, no conceito definido por Lévy (1999) e Lemos (2009), que é a forma sociocultural movida pela socialização em conjunto com a informática, que modifica os hábitos e o ritmo de produção de distribuição da informação, influenciando, assim, a sociedade com o um todo. Há, portanto, uma reconfiguração social, cultural e política, entrando no conceito de comunicação pós-massiva, em que o internauta é o pólo emissor. Lévy (2000) acha, ainda, que existe uma inteligência coletiva na web, construída através de comunidades e fóruns, o que favorece o processo de mobilização e enriquecimento mútuo entre os usuários.

Latour (1988) defende a  tese do Ator Rede, em que os sujeitos humanos (pessoas) e não humanos (artefatos técnicos como softwares e tecnologias) são os atores que agem na produção de experiências. Ou seja, esses artefatos transformam as ações das pessoas.

Mundos Pequenos

A teoria dos mundos pequenos parte do princípio de que uma conexão aleatória reduz a distância entre dois indivíduos. Para isso, uma analogia com um estádio de futebol pode ser feita. Se há dois agentes em pontos completamente opostos no estádio tentando se comunicarem, a informação terá que ser repassada de pessoa em pessoa até atingir seu objetivo (emissor <-> receptor), um processo longo e demorado. Mas se entregarmos um walkie-talk para um dos agentes e a uma pessoa próxima ao outro agente, a distância que a mensagem precisará percorrer diminui consideravelmente. Isso nos remete às experiências de Watts e Strogatz (1998), que confirmam que entre qualquer pessoa do planeta há apenas seis graus de separação. Isso é nada menos que a teoria dos Mundos Pequenos em escala global. Você (1) conhece alguém que conhece alguém (2), que conhece outra pessoa (3). A comunicação entre 1 e 3 se estreita através de 2. É assim a sociedade moderna. Mesmo laços fracos sustentam as redes.

Hubs

Os hubs são os consumidores mais influentes da internet. Eles compartilham, recrutam, analisam, ou seja, facilitam a troca de informação entre você e o seu público. Mapear quem são os hubs, buscando blogs e perfis que se interessam pelo seu tema é uma ótima estratégia de Marketing.

A Cauda Longa

Cauda Longa

A cauda longa é baseada na segmentação por nicho, por desejos especiais dos consumidores. A parte concentrada da cauda (corpo do dinossauro) são os hits e a cauda longa são os interesses específicos. Se existe uma busca muito grande por determinada palavra-chave no Google, por exemplo, existirá grande tráfego de páginas tentando alcançar o público que busca essa palavra-chave, o que dificulta que o seu site esteja entre os primeiros no mecanismo de busca. Portanto, a tarefa é identificar o nicho, palavras menos procuradas, mas que estão relacionadas ao seu público-alvo e irão atingir um substancial número de usuários. . A Netshoes, por exemplo, a empresa que mais investe em Marketing Digital no Brasil, tem atacado em grupos específicos, divulgando seus produtos para nichos e grupos.

The Groundswell

Segundo Li e Bernoff (2009), o Groundswell é uma metáfora para um fenômeno social nos negócios, uma onda que vem varrendo o mercado. Esse fenômeno é uma tendência social em que as pessoas se utilizam dos recursos disponíveis com a tecnologia para obterem seus desejos. É a perda de controle da mídia e a ascensão do consumidor como parte fundamental do marketing, o empoderamento do cliente. Essa transferência de poder pode ser notada, por exemplo, na campanha presidencial de Barack Obama, quando fez com que as pessoas falassem dele, criassem por si mesmas mídia e conteúdo (UGC).

ZMOT (Momento Zero da Verdade)

No Marketing tradicional, existem três etapas no processo de compra: o Estímulo (quando a empresa incentiva através das ferramentas disponíveis), o Primeiro Momento da Verdade (quando o cliente decide comprar o produto) e o Segundo Momento da Verdade (quando o consumidor experimenta, utiliza e tem sensações com o seu produto).

Na Sociedade em Rede, existe uma etapa entre o Estímulo e o Primeiro Momento da Verdade, o chamado ZMOT, que é quando antes da decisão da compra, o cliente pesquisa na internet sobreo produto. Vale ressaltar, também, que o Segundo Momento da Verdade, ou seja, as experiências obtidas pelo consumidor através do seu produto, é que alimenta o ZMOT. Isso quer dizer que as pessoas vão à internet expor suas experiências com o produto.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s