Orkut 10 anos: a Rede Social que mudou o Brasil

Orkut

No dia 24 de Janeiro de 2004, nascia uma rede social revolucionária, criada pelo engenheiro turco de mesmo nome: Orkut Büyükkökten. Com o objetivo de incentivar o encontro entre pessoas com interesses semelhantes, possuía uma interface bastante simples, onde o usuário podia adicionar amigos e debater sobre diversificados temas, desde os mais abrangentes (Política, Futebol, Brasil, Música Popular Brasileira) aos mais específicos (3º ano do colégio Ximboquinha, Eu conheço o Pedro, Clube de Pintura do Bairro Zequinha, Já zerei Pokemon Red).

Não é fácil dimensionar a importância dessa rede para o Brasil especificamente, já que ela não obteve tamanho sucesso em países como os Estados Unidos, apesar de ter alcançado bons índices na Índia, por exemplo. Embora muita gente não saiba, menos de duas semanas depois seria fundada a rede que domina atualmente a demanda de usuários brasileiros: o Facebook de Mark Zuckerberg, que mais tarde substituiria o Orkut como rede social favorita dos internauta por aqui.

Entre as várias novidades da plataforma, o Orkut possuía algumas vantagens em relação aos serviços de interação entre usuários mais utilizados na época, como o MSN Messenger, o ICQ, salas de bate-papo, e-mails e fóruns específicos. A seguir, uma pequena lista de alguns recursos fantásticos que fizeram com que grande parte dos usuários brasileiros aderissem os serviços da rede:

Perfil

Embora alguns servidores de e-mail já possuíssem tal função, o Orkut ascendeu com força no mercado devido ao fato de possuir um formato de perfil sistemático e ao mesmo tempo detalhado. Nele eram encontradas informações como idade, formação, signo e até um pequeno resumo sobre o usuário. Além disso, a rede germinou ao passo em que crescia o mercado de câmeras digitais no país, por isso grande parte dos perfis eram compostos também por fotos. Era o fim da era dos anônimos (pelo menos em tese), onde as pessoas com quem você conversava agora possuíam rosto e uma identidade explicada.

Exclusividade

Uma das sacadas mais geniais do Orkut foi o acesso exclusivo para convidados. É claro que isso não passou de uma jogada de marketing, mas com certeza ajudou a engrenar o sucesso da rede. Apenas usuários do serviço podiam convidar, através do e-mail, outros internautas. Essa sensação de “eu sou exclusivo” ou “VIP” (pessoa muito importante) durou apenas até a rede emplacar, já que depois o acesso foi totalmente liberado.

Comunidades

Essa ferramenta sensacional permite que o usuário busque e interaja com pessoas com interesses semelhantes. Gosta de miniaturas e maquetes? Com certeza você encontrará uma comunidade no Orkut a respeito. Prefere jardinagem? Futebol europeu? Receitas de bolo? Sim, os criadores das comunidades do Orkut eram os próprios usuários, o que fazia com que uma infinidade de fóruns de discussão sobre os mais variados temas fossem criados diariamente.

Fóruns

Muitas pessoas se surpreendem quando eu digo que ainda acesso o Orkut. A resposta, amigos, está neste tópico. O sistema de fóruns é infinitamente superior a qualquer outra rede social que eu conheça (e são muitas). Funciona assim: qualquer um pode criar um tópico, que pode ser comentado pelo mesmo ou por outros usuários. O último tópico comentado, fica acima na interface da comunidade, uma espécie de feed por atualização. Assim, você não corre o risco de entrar em um tópico desatualizado, a não ser que queira. Além disso, um sistema de buscas (que mais tarde foi alterado sem nenhuma explicação) bastante apurado, permitindo ao orkuteiro encontrar tópicos antigos em comunidades sem muita dificuldade.

Depoimentos

Falar de si não é uma das tarefas mais fáceis. Mas e se você transferisse essa responsabilidade para outras pessoas? No Orkut era assim: na sua página inicial, depoimentos dos seus amigos podiam ser visualizados. Obviamente, a maioria deles falavam bem do usuário em questão.

O Orkut para o marketing

À época, as empresas ainda não estavam totalmente antenadas aos novos costumes do consumidor e não investiam tanto nas redes sociais, mas algumas das mais espertas se saíam bem na divulgação no Orkut. Imagine que cada marca possui uma comunidade oficial, às vezes administrada por profissionais internos, outras por usuários, fãs ou odiadores. Era comum existirem comunidades de polos opostos (“Eu amo Coca-Cola” e “Eu odeio Coca-Cola”, por exemplo). Isso nada mais é do que feedback gratuito, uma pesquisa de mercado sem custos. Além disso, as comunidades concentravam números consideráveis de usuários interessados em temas específicos, o que as tornavam espaços de divulgação e interação fabulosos. Se ainda tivesse a mesma força, acredito que o Orkut seria muito melhor utilizado pelas empresas e profissionais de marketing hoje em dia.

A queda do Orkut

Muito se especula sobre os motivos pelos quais ocorreu a queda drástica de usuários do Orkut (hoje menos de 1% dos internautas brasileiros acessam a rede, ainda mais popular que o Google +, por exemplo). Além da “Era Facebook”, período em que um número considerável de pessoas converteram à plataforma de Zuckerberg, outros motivos contribuíram para o enfraquecimento da rede.

Uma mudança radical de interface e design, que ficou conhecida como o Orkut Novo, foi um dos pontos que fez com que alguns dos usuários abandonassem a rede. Outros recursos gráficos como a permissão da utilização de gifs (imagens em movimento) e letras coloridas poluíam as páginas de fóruns e scrapbooks (murais). O filtro de spams do Orkut também não era muito seguro, o que fazia com que vários usuários recebessem dezenas de recados indesejados e robóticos. Soma-se a isso o fato de aparecerem muitos fakes (perfis falsos), necessitando apenas de uma conta de e-mail em qualquer servidor para a criação de um perfil. Nesse momento, redes como o Facebook e o Twitter pareciam opções mais atraentes, e foi justamente para onde migraram grande parte dos usuários, uma espécie de êxodo virtual.

Esse é um efeito comum e cotidiano na rede, onde constantemente aparecem novas opções de Mídias Sociais com diferente objetivos e recursos. Há quem diga que as plataformas mobile como WhatsApp, WeChat e Instagram são a maior ameaça à rede de Zuckerberg atualmente. E você, o que acha do assunto?

Anúncios

Um pensamento sobre “Orkut 10 anos: a Rede Social que mudou o Brasil

  1. Pingback: Por favor, Google, não acabe com o Orkut | The Socialpedia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s