Widbook, a Rede Social para autores

Widbook Face

Como todos sabem, este analista e blogueiro trata dos mais diversos temas sobre mídia online, mas, principalmente, sobre as Redes Sociais. Embora tenha conhecimento sobre diversas delas, inclusive as segmentadas (uma tendência contemporânea sobre a qual falarei mais tarde), como o Filmow  e o Skoob, ambas já comentadas no blog, esta, especialmente, não foi reconhecida via trabalho. Portanto, a análise é feita a partir de um heavy user da plataforma, diferente das outras comparações feitas a partir de um usuário relativamente novo. Este blogueiro é, também, um escritor amador (link para o meu projeto aqui), de modo que essa rede, especialmente, foi encontrada com objetivos próprios em mecanismos de busca.

O Widbook é uma plataforma para autores e leitores compartilharem conteúdo. Mas, a partir disso, é possível descobrir novas funcionalidades que podem ser úteis desde professores e escritores de diário a grandes celebridades da dramaturgia e literatura. É uma agradável mixagem, algo entre Google Drive, Evernote e Facebook. Essa ferramenta é revolucionária justamente por agregar os conceitos de Rede Social (compartilhável, interativa) e Ferramenta (útil, facilitadora).

Alguns dos aspectos que a tornam única:

Composição / Design

No Widbook é possível visualizar o livro prontinho, no formato em que ele ficaria caso fosse editorado. Não sei se funcionará como catalisador para outras pessoas, mas pessoalmente, a visualização do livro ajuda muito no processo criativo. Escrever no papel pode ser a melhor saída para alguns, mas eu tentei iniciá-lo por mais diversas vezes, sempre com rascunhos imperfeitos. Na noite em que ingressei no Widbook, meu primeiro capítulo ficou pronto. Embora a ideia já estivesse lá, sofri um estímulo imediato que me fez mudar de um escritor mudo para um tagarela digital.

Além disso, fica muito mais organizado. É só clicar nos capítulos e nas páginas para ir imediatamente aonde você precisa. \o/

Livro1

Vídeo e Imagem

É possível anexar vídeos e imagens aos seus manuscritos. Mais um recurso que você jamais teria naquele seu velho caderno de papel. E um recurso que, imagino eu, deva ser bastante útil para professores, quase como uma apresentação em Powerpoint, mas sem aquela limitação de espaço que fazem pirar quando há muito texto. =)

Interação com outros autores/leitores

Como explicado no conceito de Redes Sociais, esse é o aspecto principal para defini-la como tal. Os leitores podem opinar na criação da sua obra, lhe dando o feedback necessário para que o autor possa compreender seus erros e acertos. É um combustível social, que faz com que muitos dos escritores desestimulados com suas obras retomem as rédeas da narrativa. Não há nada melhor do que saber que existem pessoas lendo aquilo que você escreve!

Compartilhável

Há como vincular a sua conta ao Facebook, ao Twitter e ao Evernote, fazendo com que a divulgação do seu livro seja bastante prática. Sabe aquele resumão que você fez no Word da última prova? Que tal compartilhá-lo com os seus amigos para que todos possam estudar juntos. E eles podem até editar o conteúdo.

Móvel

O WidbMovel2ook possui um aplicativo integrado à versão online. Pare e pense. Se você tem que pagar por grande parte do conteúdo no seu Kindle, aqui as pessoas comuns e grandes autores fornecem, gratuitamente, algo que pode vir a ser igual ou melhor a algo que você pagaria. A ferramenta mobile é perfeita para aquele momento na fila de espera do banco ou no trajeto de ônibus até o trabalho.

Perenidade

Seu PC estragou? Não se preocupe, o que você escreveu no Widbook é perene. 😉

Colaborativo

Como citado, há a possibilidade de convites a outros autores. Existem livros que são escritos no sistema de crowdfunding, ou seja, por dois ou mais escritores, fazendo com que obras coletivas se apresentem aos usuários. Além disso, é possível comentar, marcar determinadas passagens dos livros (um verdadeiro marca texto digital), entre outros recursos de interação.

Conteúdo automaticamente indexável

Uma das principais características do Widbook, e algo que a torna simplesmente magnífica, é o fato de todo o conteúdo nos livros divulgado é automaticamente indexável aos resultados de SEO. Isso significa que se alguém for no Google ou Yahoo! e fizer uma busca, é possível que o seu livro apareça nos resultados. Sensacional, né?

Busca

É possível fazer um filtro entre gêneros para ler o que você gosta ou conhecer sobre novos assuntos. Afora isso, você tem sua própria estante, na qual você coloca seus livros favoritos separados por temáticas.

Utilidade pessoal

Constantemente, eu utilizo o Widbook para textos que eu não pretendo publicar. Explicando: eu, como todos os autores de fantasia, tenho um complexo mundo criado com culturas, religiões, personagens, aspectos sociais, de personalidade, entre outros, que às vezes podem fazer com que até mesmo o mais atento dos criadores se perca. Portanto, desenvolvi minha própria enciclopédia, a qual consulto quando me perco em meu próprio mundo. Claro que isso não é apenas para autores de fantasia! Você pode, por exemplo, criar poesias com quem você não quer compartilhar, ou até mesmo fazer uma colinha pra estudar nos minutos antes da prova final. Ache a sua utilidade! 😮

Prazer da leitura

Tanto para quem lê os livros no desktop quanto no aplicativo móvel, a plataforma proporciona uma leitura bastante agradável. O sistema de leitura noturna (com fundo preto e letras brancas) é sensacional.

Conclusões finais

O Widbook é uma ferramenta extremamente útil nos conceitos contemporâneos de experiência do usuário, pois facilita seja qual for o tema ou o nicho escolhido pelo usuário, incentivando constantemente a alimentação à imensa biblioteca virtual que é a internet. Acredito que recomendações são dispensáveis diante de tantas informações a respeito da plataforma.

Vestígios

Comentários e críticas são sempre bem-vindos.

And Oscar goes to… Samsung! Selfie na maior festa do cinema.

Samsung Ellen

Que o Oscar é a maior festa do cinema mundial, não há dúvidas. Deixemos os questionamentos com relação à credibilidade dos prêmios para uma outra ocasião e nos concentremos no case. O Oscar 2014 nos trouxe a noção do quão efetiva pode ser uma ação simples na internet. Muitos viram apenas uma foto reunindo estrelas de Hollywood, mas o que está estampado à frente de todas elas é “Samsung”.

Durante toda a apresentação, a apresentadora Ellen DeGeneres perambulou com seu Galaxy entre as mais célebres personalidades do cinema, exibindo a marca para 40 milhões de pessoas apenas nos Estados Unidos. Mas isso não é tudo. Abusando dos recursos de seu celular, entre piadas e apresentações, Ellen fazia tweets, observados por internautas de todo o globo. Mas um, em especial, fez com que qualquer dinheiro investido tenha valido a pena.

O selfie é uma espécie de autorretrato, que se popularizou muito em plataformas como o Facebook e o Instagram. E foi exatamente o que fez a apresentadora do evento. Ao lado de celebridades como Bradley Cooper, Meryl Streep, Brad Pitt, Kevin Spacey e outros, ela publicou em seu Twitter pessoal aquele que foi o tweet de maior sucesso de todos os tempos com simplesmente mais de 3,5 milhões de retweets.

E a Samsung, se saiu bem? Os números falam por si só. Na foto em questão o texto que a acompanhava dizia: “Se ao menos o braço do Bradley fosse mais longo. Melhor foto de todos os tempos”, devido ao fato de ter sido cortado um pedaço do rosto de Jared Leto (vencedor do prêmio de Melhor Coadjuvante). O braço de Cooper não foi longo o suficiente para abranger a todos na foto, mas o alcance dessa ação da Samsung… ah, isso sim foi o bastante.

Oscar2

Foto original que resultou em milhões de compartilhamentos.

Oscar1

Da série “a foto da foto”: marca Samsung por detrás do selfie.

Roberto Carlos é Friboi. Mas e quem não é? – O comportamento da marca no ambiente virtual

Roberto Carlos Friboi

Há pouco tempo, a empresa do ramo frigorífico JBS Friboi anunciava o seu novo garoto propaganda, um antigo conhecido do público brasileiro que dispensa apresentações independentemente do público-alvo. Proclamado como rei, Roberto Carlos parece não ter agradado tanto assim a uma fatia dos súditos. Vegetariano há 30 anos, um dos cantores mais populares do Brasil utilizou o refrão de um de seus grandes hits, “eu voltei”, para anunciar seu retorno ao status de carnívoro.

Até aí tudo bem, embora a comunidade vegana tenha se voltado contra o cantor e metralhado as redes sociais da empresa com críticas e questionamentos quanto ao posicionamento de Roberto. Estabeleceu-se, então, um duelo entre tiranossauros e brontossauros, cada qual defendendo seu ponto de vista. Um adendo: dentro do ambiente virtual da Friboi. E o pior: as avaliações negativas superaram as positivas em dez vezes no canal da empresa no YouTube. E aí, como proceder?

Acontece que a estratégia escolhida foi a de simplesmente bloquear momentaneamente os comentário no vídeo, ainda que os ads ainda estejam ativos para o vídeo. Será mesmo que isso resolveria o problema? De fato, existem diversas outras páginas com o mesmo vídeo, onde os usuários discutem o referido tema, invariavelmente. E, claro, em diversos outros canais como o Facebook, Twitter e demais Redes Sociais, os debates prosseguiram. Em nota, o frigorífico diz que classificou alguns comentários como “ofensivos à credibilidade dos envolvidos”. Na minha opinião, essa é mais uma tentativa tola de tentar censurar o incensurável. É como escrever na face do consumidor: “Se você é Friboi, seja bem-vindo”. E quem não é?

 

Bônus: Na postagem sobre o vídeo na fanpage da Friboi, a empresa responde apenas aos comentários positivos. Ainda assim, é bem melhor do que outras famosas fanpages conhecidas, que simplesmente apagam esse tipo de comentário.

Friboi ignora os comentários negativos na fanpage...

Friboi ignora os comentários negativos na fanpage…

...enquanto enfatiza os comentários elogiosos.

…enquanto enfatiza os comentários elogiosos.

Orkut 10 anos: a Rede Social que mudou o Brasil

Orkut

No dia 24 de Janeiro de 2004, nascia uma rede social revolucionária, criada pelo engenheiro turco de mesmo nome: Orkut Büyükkökten. Com o objetivo de incentivar o encontro entre pessoas com interesses semelhantes, possuía uma interface bastante simples, onde o usuário podia adicionar amigos e debater sobre diversificados temas, desde os mais abrangentes (Política, Futebol, Brasil, Música Popular Brasileira) aos mais específicos (3º ano do colégio Ximboquinha, Eu conheço o Pedro, Clube de Pintura do Bairro Zequinha, Já zerei Pokemon Red).

Não é fácil dimensionar a importância dessa rede para o Brasil especificamente, já que ela não obteve tamanho sucesso em países como os Estados Unidos, apesar de ter alcançado bons índices na Índia, por exemplo. Embora muita gente não saiba, menos de duas semanas depois seria fundada a rede que domina atualmente a demanda de usuários brasileiros: o Facebook de Mark Zuckerberg, que mais tarde substituiria o Orkut como rede social favorita dos internauta por aqui.

Entre as várias novidades da plataforma, o Orkut possuía algumas vantagens em relação aos serviços de interação entre usuários mais utilizados na época, como o MSN Messenger, o ICQ, salas de bate-papo, e-mails e fóruns específicos. A seguir, uma pequena lista de alguns recursos fantásticos que fizeram com que grande parte dos usuários brasileiros aderissem os serviços da rede:

Perfil

Embora alguns servidores de e-mail já possuíssem tal função, o Orkut ascendeu com força no mercado devido ao fato de possuir um formato de perfil sistemático e ao mesmo tempo detalhado. Nele eram encontradas informações como idade, formação, signo e até um pequeno resumo sobre o usuário. Além disso, a rede germinou ao passo em que crescia o mercado de câmeras digitais no país, por isso grande parte dos perfis eram compostos também por fotos. Era o fim da era dos anônimos (pelo menos em tese), onde as pessoas com quem você conversava agora possuíam rosto e uma identidade explicada.

Exclusividade

Uma das sacadas mais geniais do Orkut foi o acesso exclusivo para convidados. É claro que isso não passou de uma jogada de marketing, mas com certeza ajudou a engrenar o sucesso da rede. Apenas usuários do serviço podiam convidar, através do e-mail, outros internautas. Essa sensação de “eu sou exclusivo” ou “VIP” (pessoa muito importante) durou apenas até a rede emplacar, já que depois o acesso foi totalmente liberado.

Comunidades

Essa ferramenta sensacional permite que o usuário busque e interaja com pessoas com interesses semelhantes. Gosta de miniaturas e maquetes? Com certeza você encontrará uma comunidade no Orkut a respeito. Prefere jardinagem? Futebol europeu? Receitas de bolo? Sim, os criadores das comunidades do Orkut eram os próprios usuários, o que fazia com que uma infinidade de fóruns de discussão sobre os mais variados temas fossem criados diariamente.

Fóruns

Muitas pessoas se surpreendem quando eu digo que ainda acesso o Orkut. A resposta, amigos, está neste tópico. O sistema de fóruns é infinitamente superior a qualquer outra rede social que eu conheça (e são muitas). Funciona assim: qualquer um pode criar um tópico, que pode ser comentado pelo mesmo ou por outros usuários. O último tópico comentado, fica acima na interface da comunidade, uma espécie de feed por atualização. Assim, você não corre o risco de entrar em um tópico desatualizado, a não ser que queira. Além disso, um sistema de buscas (que mais tarde foi alterado sem nenhuma explicação) bastante apurado, permitindo ao orkuteiro encontrar tópicos antigos em comunidades sem muita dificuldade.

Depoimentos

Falar de si não é uma das tarefas mais fáceis. Mas e se você transferisse essa responsabilidade para outras pessoas? No Orkut era assim: na sua página inicial, depoimentos dos seus amigos podiam ser visualizados. Obviamente, a maioria deles falavam bem do usuário em questão.

O Orkut para o marketing

À época, as empresas ainda não estavam totalmente antenadas aos novos costumes do consumidor e não investiam tanto nas redes sociais, mas algumas das mais espertas se saíam bem na divulgação no Orkut. Imagine que cada marca possui uma comunidade oficial, às vezes administrada por profissionais internos, outras por usuários, fãs ou odiadores. Era comum existirem comunidades de polos opostos (“Eu amo Coca-Cola” e “Eu odeio Coca-Cola”, por exemplo). Isso nada mais é do que feedback gratuito, uma pesquisa de mercado sem custos. Além disso, as comunidades concentravam números consideráveis de usuários interessados em temas específicos, o que as tornavam espaços de divulgação e interação fabulosos. Se ainda tivesse a mesma força, acredito que o Orkut seria muito melhor utilizado pelas empresas e profissionais de marketing hoje em dia.

A queda do Orkut

Muito se especula sobre os motivos pelos quais ocorreu a queda drástica de usuários do Orkut (hoje menos de 1% dos internautas brasileiros acessam a rede, ainda mais popular que o Google +, por exemplo). Além da “Era Facebook”, período em que um número considerável de pessoas converteram à plataforma de Zuckerberg, outros motivos contribuíram para o enfraquecimento da rede.

Uma mudança radical de interface e design, que ficou conhecida como o Orkut Novo, foi um dos pontos que fez com que alguns dos usuários abandonassem a rede. Outros recursos gráficos como a permissão da utilização de gifs (imagens em movimento) e letras coloridas poluíam as páginas de fóruns e scrapbooks (murais). O filtro de spams do Orkut também não era muito seguro, o que fazia com que vários usuários recebessem dezenas de recados indesejados e robóticos. Soma-se a isso o fato de aparecerem muitos fakes (perfis falsos), necessitando apenas de uma conta de e-mail em qualquer servidor para a criação de um perfil. Nesse momento, redes como o Facebook e o Twitter pareciam opções mais atraentes, e foi justamente para onde migraram grande parte dos usuários, uma espécie de êxodo virtual.

Esse é um efeito comum e cotidiano na rede, onde constantemente aparecem novas opções de Mídias Sociais com diferente objetivos e recursos. Há quem diga que as plataformas mobile como WhatsApp, WeChat e Instagram são a maior ameaça à rede de Zuckerberg atualmente. E você, o que acha do assunto?

Filmow – A Rede Social para Filmes

Filmow

Você já conhece o Filmow? Comecei a utilizar essa plataforma de Rede Social por um motivo: eu queria organizar filmes que eu já assisti e os que eu gostaria de ver, portanto, fiz uma rápida busca e acabei me deparando com um site com um simpático layout, onde fiz minhas inscrição.

Me surpreendi positivamente, pois além de me servir como lembrete, percebi que podia avaliar os filmes já vistos. Mais: a possibilidade de interagir com outros usuários, obtendo recomendações, expor minhas opiniões para outros apaixonados por filmes e marcar quem são os meus atores e diretores favoritos. E não apenas de filmes, mas também séries, documentários, desenhos animados e listas.

Se você também adora filmes e fica perdido entre os milhares de películas que já assistiu, deve entrar no Filmow. Essa é a recomendação de hoje do The Socialpedia.

Netflix: atendimento ao consumidor – parte III

Netflixparte3

CASO 2 – Um presente sincero – O agradecimento

Você sabe que o cliente ficou satisfeito quando ele faz uma boa avaliação, não é mesmo? Já é muito difícil o consumidor esperar na linha para fazer a análise do atendimento pelo pelo telefone, ou mesmo ir a sites como o Reclame Aqui! para recomendar como positiva uma marca, pois essa é uma ação que requer tempo, e hoje em dia, é algo que não sobra às pessoas. Além disso, estar satisfeito é um estímulo menos atraente (já que os serviços prestados são pagos) do que o contrário, a vontade de retaliar. Mas o que dizer quando, de tão agraciado, o cliente envia um presente para o atendente?

Pois é, no segundo caso da série Netflix, isso ocorreu. Dorothy ficou tão satisfeita com a maneira com a qual foi tratada pelo profissional Kirsten de atendimento ao consumidor da Netflix através do chat que lhe perguntou se poderia lhe enviar um saboroso pão assado. Porém, Kirsten se encontrava na Jamaica, ao passo em que Dorothy estava na California, portanto, ao invés disso, enviou-lhe um cachecol. Pegando uma carona na piadinha do dia, isso agrega valor à marca, não é verdade? =p

Bom, o pessoal do Netflix me mandou uma foto, mas confesso que fiquei confuso com relação a quem seria a pessoa com o cachecol, já que ambas as envolvidas me parecem ser mulheres.

Cliente envia cachecol de presente a profissional de atendimento

Cliente envia cachecol de presente a profissional de atendimento

O lado bom do Hummingbird, o novo algoritmo do Google

Hummingbird

Há um mês, o Google lançava o seu novo e polêmico algoritmo, o Hummingbird (beija-flor em português), que teve uma grande repercussão na mídia e, principalmente, entre os profissionais do mundo do Marketing Digital. Ele mudará pra sempre as estratégias de SEO (Searching Engine Optimization)  a serem utilizadas, o que causou tamanho furor e até desespero. Ai, minha nossa senhora, Scooby! Tem um monstro atrás de nós! Calma. De um ponto de vista um tanto quanto egocêntrico, o The Socialpedia mostra o lado positivo desse misterioso beija-flor.

Embora ainda seja objeto de estudo (como disse, foi lançado há apenas um mês), vou demonstrar aqui a minha visão pessoal do Hummingbird. Em primeiro lugar, o maior beneficiado com essa atualização é o… é o… wait for it… o usuário! Exato! Ao que tudo indica, as buscas passarão a ser mais semânticas, ou seja, facilitarão a vida do internauta e trarão resultados até ele com mais eficácia. O SEO irá enfraquecer? Talvez. Acredito que as técnicas terão que ser revisadas, pois não mais bastará a escolha das palavras certas para que a sua página fique bem ranqueada. Pra quem não conhece (e essa é uma visão um tanto quanto crua, já que eu também estou longe de ser um especialista), o trabalho de SEO consiste em descobrir palavras-chave (através do Google Adwords) que elevem o seu nome nas buscas, e ai você coloca ela duas ou três vezes em um texto, uma no título, uma na tag e… como em um passe de mágicas, seu site aparece nos primeiros resultados dos mecanismos de busca! Claro que essa competência é muito mais complexa do que o citado (como por exemplo, reconhecer nichos na cauda longa), mas esse é um resumo para iniciantes sobre o que se trata.

Claro, existem técnicas legais e outras nem tanto assim, o chamado “black hat“. Eu tinha um amigo que buscava no Adwords as palavras mais buscadas. Por exemplo, houve um tempo em que Anderson Silva, o lutador de MMA, apareceu na mídia e seu nome emergiu como uma potência nos mecanismos de buscas. O rapaz citado viu isso e fez o quê? Escrevia sobre o Anderson Silva em sua página pessoal. Eis o erro: ao invés de escrever um conteúdo agradável e didático, ele simplesmente escrevia a palavra “Anderson Silva” várias vezes. Isso é uma técnica ilegal e que faz com que as pessoas caiam em sites com pobreza de conteúdo, uma falha do antigo algoritmo do Google. A conta desse moço acabou sendo deletada e não pode mais ser reativada por violação das regras do buscador.

Entendem agora o porquê de o Hummingbird ser um mecanismo diferenciado? Segundo prometem os desenvolvedores, o filtro ficará mais forte e, acredito eu, será direcionado de acordo com os seus interesses (inclusive, a opção + 1 no Google + influenciará nos resultados). Isso significa que os resultados podem ser diferentes dependendo de variáveis como idade, gostos, gênero, preferências, etc. (técnicas já existentes, mas sem tanta eficiência até então).

E o mais importante de tudo isso: o Google passará a valorizar agora a geração e a qualidade do conteúdo. Acho que, ao fim do ano, em Dezembro, as agências e grandes portais perceberão que não haverá outra saída a não ser a atualização constante e com qualidade de suas páginas. Para os usuários, isso é ótimo, afinal quem é que não quer uma biblioteca cada vez mais ampla e com cada vez mais autores qualificados, não é mesmo?

Para mim, iniciante na área, é, também, uma oportunidade. Alguns verão egoísmo nessa declaração, mas é a mais pura realidade. Se os profissionais experimentados terão que se readequar e com certeza trarão algo de suas antigas experiências consigo, os mais jovens poderão adentrar com tudo nesse novo caminho aberto belo Beija-Flor. Se você é um deles, não deixe a chance escapar!

Um grande abraço!

Social CRM e a personalização dos clientes

Hoje falarei sobre um tema que vi nessa postagem do Brainstorm9, que, aliás, é um dos sites mais completos e interessantes de que tenho conhecimento. O Daniel Sollero fala sobre um termo que eu até então desconhecia, que é o Social CRM. CRM significa Customers Relationship Management (em português Gerenciamento do Relacionamento com o Cliente), que significa, estrategicamente, antecipar o que determinada empresa necessita ou o potencial que tem para atingir metas. Geralmente esse termo é utilizado em softwares que fazem colhem e organizam dados dos clientes. Antes de mais nada, vejam a imagem abaixo, retirada do SlideShare disponível na própria postagem.

Gary Vaynerchuk

O texto em questão fala sobre a inclusão dos dados dos perfis de usuários das Redes Sociais. Como visto no texto da imagem, a utilização dos recursos cedidos por elas é muito importante para o entendimento do cliente. Entramos, novamente, na questão da personalização. Saber o que o seu cliente quer é muito importante. E a coleta desses dados é algo que poucas empresas fazem atualmente.

De que modo as organizações podem se beneficiar desses recursos e extraírem o máximo de informações acerca de seus consumidores para gerar lucratividade? A mim, parece que a utilização do banco de dados criado via Mídias Sociais é extremamente relevante, apesar de no próprio texto o Daniel dizer que há um limite entre a personalização e a invasão de privacidade, citando um caso muito interessante. Uma garota recebeu um catálogo da Target falando sobre o universo das novas mães. Ela estava grávida. Como a empresa sabia disso? Simples, segundo a base de dados inteligente deles, mulheres que compram loções sem cheiro provavelmente estão em período de gestação. Genial, não é mesmo? Mas o que acontece é que ela não havia contado para a família ainda, o que gerou uma situação de extremo mal-estar entre cliente e organização.

Essa é uma circunstância que exige timing e cuidado para ser executada, mas o que as empresas não podem fazer é deixar de utilizar esse tipo de informação.

Wagner Moura e a retaliação da Dafra: você por cima da m****

Dafra

Durante os estudos do marketing digital, aprendemos que existem três níveis de relacionamento com o consumidor. São elas a lealdade (quando o cliente se torna defensor, advogado da sua marca e por si só faz o buzz marketing, o boca a boca), a rejeição (quando o cliente abandona a sua marca para comprar produtos de outra empresa) e o pior  mais temido pelos profissionais de marketing: a retaliação. Essa última ocorre quando, insatisfeito com o seu produto, o cliente passa a falar mal e  vingar-se da marca trazendo prejuízos e espalhando para os outros clientes uma imagem ruim.

Nas primeiras aulas do curso de Marketing Digital, tivemos um exemplo disso em sala de aula. São dois vídeos sobre a marca de motocicletas Dafra, que utilizou-se de uma estratégia de comercialização cara, contratando um dos atores mais famosos da atualidade, Wagner Moura. Acontece que essa estratégia não foi tão bem sucedida, pois um vídeo parodiando o comercial acabou por fazer mais sucesso do que o próprio vídeo comercial. Abaixo, em sequência, o comercial original e a paródia. Confiram (e riam um pouco) uma das retaliações mais bem sucedidas da internet brasileira:

AVISO: O vídeo abaixo contém palavrões.

Rodrigo Faro é o novo garoto propaganda da Pepsi no Facebook

Rodrigo Faro/Pepsi

Hoje falarei sobre um tema bastante recente, que é a contratação do ator e apresentador Rodrigo Faro pela Pepsi (saiba mais clicando aqui). Mas o que isso tem a ver com Marketing Digital? Tudo. Explico o porquê. Acontece que essa celebridade, um ícone quando se trata de comunicação em televisão no país, foi contratada junto à marca de refrigerantes para dialogar, principalmente, com o público das Redes Sociais, principalmente no Facebook e YouTube.

Não consigo pensar em ninguém melhor do que o Rodrigo para falar com o público alvo da Pepsi. O apresentador possui uma altíssima taxa de aceitação do público e foi reconhecido por isso. Ao longo da carreira, são mais de 400 peças publicitárias de sucesso. Ele venceu por cinco vezes seguidas o Troféu Imprensa como Melhor Apresentador, representando o programa O Melhor do Brasil. Além de ator, Rodrigo é dançarino, cantor e comediante. Soma-se a isso o fato de ele ser uma celebridade extremamente conhecida e carismática, que comunica tanto para o menino de dez anos quanto para aposentada. Consegue entender as razões para a escolha?

Há ai, também, um importante ponto a se frisar. Alguém com esse currículo, não pode ser barato para a empresa, certo? Corretíssimo. Tamanho investimento é apenas mais uma das muitas ações que comprovam que o mercado de Social Media cresce abruptamente  no país e no mundo. Percebam quão importante é o setor, tanto que uma das maiores marcas do mundo resolve abalroar exatamente nessa área.

Aguardemos para a estreia do quadro, que acontece na quarta-feira, dia 16 de Outubro, para vermos qual será o formato de programação utilizada para interagir com o internauta.